sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Janaina Rico agora é do “Selo Brasileiro”

A escritora brasiliense que já é sinônimo de sucesso entre o público feminino, agora faz parte do grupo “Selo Brasileiro”.
O namoro começou quando o grupo foi participar do bate-papo organizado pela Janaina em Brasília. “Nem sei dizer se eles me convidaram ou se fui eu quem me convidei, tamanha a empatia”, brinca a escritora.
Mas a parceria foi firmada no começo do mês, e desde então o nome da escritora faz parte do hall de autores do Selo Brasileiro. “É uma honra estar ao lado de escritores tão competentes como Carolina Estrella e Liana Cupini”.
Uma das novidades com a junção é que o Selo agora faz parte da campanha “Ler está na moda”, que tem como objetivo incentivar o hábito da leitura entre os jovens de 12 a 18 anos (http://www.lerestanamoda.blogspot.com/).
“Janaina Rico é uma escritora versátil, talentosa e determinada! Vamos ouvir falar muito dessa brasiliense”, diz Liana Cupini, uma das fundadoras do grupo.
Nos planos com o grupo estão participar de feiras e bienais, encontros com leitores e o lançamento de novos livros.

Janaina Rico – romancista, roteirista e apresentadora, é editora-chefe da revista eletrônica “Mulheres que comandam”, autora dos livros “Ser Clara” e “O maravilhoso livro de desenhos da menina que não sabia desenhar”, dos roteiros teatrais “Todas as piadas de nossas vidas”, “Gorda, solteira, 30 anos, procura”, e do curta-metragem “Educação Física”. www.mulheresquecomandam.com.br

Selo Brasileiro – Grupo de escritores que tem como objetivo divulgar e valorizar a literatura nacional. São integrantes: Ana Paula Bergamasco , Allan PitzCarolina EstrellaFabian Balbinot , Fabio Guolo Janaina RicoLarissa Siriani , Liana CupiniLuciane RangelMarcio Scheibler e Marcos Bulzara http://selobrasileiro.blogspot.com/

Fonte: assessoriadeimprensabsb@gmail.com

Um comentário:

  1. Donzelas do Apocalipse

    Sem pai, sem mãe,
    Sem leite materno...

    Seu estômago vazio
    Pediu por comida:
    Com uma arma carregada
    Roubou uma vida.

    Escondia-se na escuridão,
    Disfarçava-se na luz.
    Foi a uma igreja...
    Rezar, pedir perdão?
    Não! Para roubar um pedaço de pão.

    O mundo o condenou.
    Amor e carinho
    Jamais encontrou.

    A sociedade o execrou,
    A margem da vida o adotou.
    Foi condenado a percorrer
    Um longo e tortuoso caminho:
    O seu exílio.

    Mas, não estava só!
    De ambos os lados,
    Lindas e afrodisíacas donzelas
    O seguiam:

    A angústia e a fome
    A solidão e a morte.

    Do livro (O ANJO E A TEMPESTADE) de Agamenon Troyan.
    Contate o autor:
    MSN: machadocultural@hotmail.com
    Skype: tarokid18
    E-MAIL: machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir